Você está em MG

ENTREVISTA

'Cigano' fala de revanche com Velásquez, não teme Jon Jones e quer volta de Fedor

Em conversa com o Superesportes, dono do cinturão do UFC deu detalhes da sua preparação e comentou sobre Alistair Overeem, Jon 'Bones' Jones e Fedor Emelianenko

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 28/09/2012 08:00 / atualizado em 28/09/2012 14:46

Ailton do Vale /Superesportes

Ailton do Vale/Superesportes

São Paulo - Júnior ‘Cigano’ dos Santos, o campeão peso-pesado do UFC, começou sua preparação para a revanche com Cain Velásquez, marcada para a edição 155, no dia 29 de dezembro, em Las Vegas. Como firmou recentemente uma parceria com o Corinthians, parte do seu treinamento será na academia do CT Dr. Joaquim Grava – o mesmo utilizado por Anderson Silva, em São Paulo. Depois, ‘Cigano’ vai voltar para Salvador, onde mora, e finalizará o camp na Champion Team, com o mestre Luiz Dórea.

Presente no evento P&G Experience realizado nesta semana, na capital paulista, Júnior dos Santos conversou com a reportagem do Superesportes sobre sua expectativa para o duelo com Velásquez. Além disso, ele ratificou o desejo de encarar Alistair Overeem, disse não temer uma possível mudança de Jon ‘Bones’ Jones para os pesos-pesados e apontou seu lutador favorito: Fedor Emelianenko. Confira a entrevista a seguir:

O que você pode revelar sobre os treinamentos para encarar Velásquez? Já está treinando forte para o duelo?

“Forte ainda não. Mas já estou treinando. Vou ficar aqui em São Paulo, no CT do Corinthians, por mais ou menos um mês. Mas vou fechar a preparação em Salvador. Tem muito tempo ainda para a luta. Meu camp está perto de começar”.

No Corinthians quem serão seus treinadores? Você vai trabalhar com o mestre Ramón Lemos e a turma que sempre ajuda o Anderson Silva?

“O Ramón Lemos já é meu treinador de jiu-jitsu junto com o professor Yuri Carlton. Ele com certeza vai me ajudar muito. Mas eu tenho minha equipe, acho que vão vir todos para cá”.

Pensa em trazer alguém de fora do país para ajudá-lo?

“Com certeza vou trazer alguém do wrestling para me dar uma força porque o Cain Velásquez é muito bom nessa modalidade. Quero ficar bem preparado para evitar surpresas”.

Ailton do Vale/Superesportes
O Alistair Overeem terá a licença liberada em dezembro e não vê a hora de enfrentá-lo. Você também não escondeu o desejo por essa luta e teve algumas desavenças com o holandês recentemente. Esse combate vai mesmo acontecer? Quando?

“Sinceramente, não sei. Mas tem tudo para acontecer, né? Ele é um cara bastante duro, porém, precisa lembrar que agora está no UFC, aqui ele só tem uma vitória. Acho que o Alistair Overeem precisa ser mais testado no evento. Eu não me importo com quem será meu próximo adversário. Como eu vou fazer essa luta agora, ele deve fazer outra também. Então vamos ver o que vai acontecer”.

O Jon Jones venceu mais uma entre os meio-pesados. Fez mais um ex-campeão do UFC como vítima. Ele já disse inúmeras vezes que pretende subir de categoria. Isso o preocupa?

“Não me preocupa. Não me importo com quem vou enfrentar. O que me importa é manter o cinturão. Quero ficar com ele por muito e muito tempo. Não interessa quem vai ser meu oponente. Vou sempre estudar bastante o adversário e me preparar para vencer qualquer um”.

A sua categoria é a mesma de um dos melhores lutadores da história, o russo Fedor Emelianenko. Muitos fãs de MMA sonham com a contratação do lutador pelo UFC, mas agora está mais difícil já que ele se aposentou. Você concorda com uma recente pesquisa do Portal do Vale Tudo que apontou Fedor como o maior de todos os tempos?


“O Fedor é o maior, sem dúvida. Para mim, em questão de admiração, é o maior de todos os tempos. Ele é um peso-pesado que batia em todo mundo. Ele com certeza era o “The Baddest Man on the Planet”. Se ele voltasse a lutar seria incrível para o esporte. Sou um grande fã dele”.

E o Brock Lesnar. Acha que ele deveria voltar para o UFC para você fazer aquela luta que acabou não acontecendo?

“O Brock Lesnar é um cara forte e pesado. Tem que ter cuidado para enfrentá-lo. Se entrar no jogo dele é perigoso... Mas entre os dois, adoraria ver o Fedor voltando”.

A Champion Team, do seu mestre Luiz Dórea, vai inaugurar uma filial em Belo Horizonte. Você estará presente na inauguração? Vai visitar a academia?


“Conforme a gente pode, né? (risos) Sempre fico treinando. Então quando rolar uma oportunidade vou sim. Não no meu camp agora, mas depois vou dar uma passada lá”.