Cruzeiro

CRUZEIRO

Cruzeiro cumpre decisão judicial e afasta Itair Machado das atividades

Vice de futebol esteve no clube e resolveu pendências do seu desligamento

postado em 11/07/2019 14:15 / atualizado em 11/07/2019 14:32

<i>(Foto: Túlio Santos/EM/D. A Press)</i>
O Cruzeiro divulgou nota oficial nesta quinta-feira para informar que afastou o vice-presidente Itair Machado das atividades no clube, conforme determinou decisão do desembargador Octávio de Almeida Neves, da 12ª Câmara Cível de Belo Horizonte.

Itair esteve no clube e resolveu pendências do seu desligamento do cargo. “O Cruzeiro Esporte Clube informa que, em cumprimento à decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, antes mesmo de ser oficialmente comunicado, já providenciou o afastamento do Vice-Presidente de Futebol, Itair Machado. Itair esteve nesta manhã, na Sede Administrativa do Clube, para repassar pendências relativas ao exercício das suas funções e demais providências administrativas”, diz a nota.

Na quarta-feira, o juiz Octávio de Almeida Neves, que atua como desembargador convocado na 12ª Câmara Cível de Belo Horizonte, deferiu pedido de liminar e determinou o afastamento de Itair Machado.

O agravo de instrumento foi interposto por associados e conselheiros do Cruzeiro, devido à decisão da juíza Lílian Bastos de Paula, da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte, no dia 3 de julho, que havia negado o pedido de afastamento de Itair.

No despacho, a magistrada havia justificado que o tema deveria ter sido deliberado exclusivamente pela Assembleia Geral do clube.

Os autores do processo contestaram a tese e alegaram que o cargo de vice-presidente de futebol não é eletivo, e sim nomeado. Eles também apresentaram processos trabalhistas contra Itair enquanto presidente de Ipatinga Futebol Clube e Betim Esporte Clube. O juiz Octávio de Almeida Neves aceitou esses argumentos e concedeu a tutela de evidência recursal.

Por consequência, conforme o magistrado, Itair Machado “fica impedido de praticar quaisquer atos de gestão inerentes ao cargo de vice-presidente de futebol do clube e de se valer de qualquer dos poderes outorgados no instrumento de procuração firmado pelo Cruzeiro”.

Itair Machado poderá recorrer dessa decisão liminar na 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais composta por três desembargadores. Um deles é o próprio relator Octávio de Almeida Neves, que já concedeu a tutela nessa quarta-feira. Para voltar ao cargo, o dirigente terá que ter parecer favorável dos outros dois. Do contrário, seguirá afastado até julgamento do mérito.

Itair Machado informou que o “caso está entregue aos seus advogados e nem ele nem os advogados vão comentar a decisão”.

Entre os 31 autores da ação contra Itair Machado estão o ex-presidente Gilvan de Pinho Tavares, o ex-membro do Conselho Fiscal Celso Luiz Chimbida (renunciou alegando falta de transparência da gestão Wagner Pires de Sá) e outros conselheiros influentes como Biagio Teodoro Francesco Peluso, Anisio Ciscotto Filho, Francisco Emilio Brandi Felix e José Gustavo de Mattos Gatti.

Denúncias

A diretoria do Cruzeiro é investigada pela Polícia Civil e também pelo Ministério Público de Minas Gerais por suspeitas de lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e falsidade ideológica, além de possíveis quebras de regra da Fifa, da Confederação Brasileira de Futebol e do Governo Federal.

Na última terça-feira (9/7), a PCMG cumpriu mandado de busca e apreensão nas Tocas da Raposa I e II, na sede administrativa do clube no Barro Preto, no galpão da torcida organizada Máfia Azul e nas casas do presidente Wagner Pires de Sá, do vice-presidente de futebol Itair Machado e do diretor-geral Sérgio Nonato. Cerca de 100 agentes foram mobilizados na operação denominada Primeiro Tempo.

Os escândalos no clube vieram à tona após matéria exibida no programa Fantástico, da TV Globo, em 26 de maio. À época, foram divulgadas irregularidades em transações e valores superfaturados pagos a empresas prestadoras de serviço. A Polícia Civil já havia ouvido 15 pessoas que mantinham alguma relação com o clube, entre elas funcionários, ex-empregados, dirigentes e agentes esportivos.

A denúncia mais grave era sobre um empréstimo de R$ 2 milhões contraído pelo Cruzeiro com o empresário Cristiano Richard dos Santos Machado, sócio de firmas que atuam na locação de veículos e de equipamentos de proteção (que também teve materiais apreendidos pela Polícia Civil).

Como forma de quitação do débito com Cristiano Richard, o Cruzeiro, segundo inquérito da Polícia Civil, incluiu parte dos direitos de jogadores do profissional, como Raniel (5%), Murilo (7%) - esses dois já foram vendidos pelo clube -, Cacá (20%), David (20%), e de outros que passaram pela base e foram negociados, casos de Gabriel Brazão (20%) e Vitinho (20%).

O Cruzeiro ainda inseriu participação em futura venda do promissor Estevão William, de apenas 12 anos, que, pelas leis trabalhistas, só poderá assinar vínculo laboral a partir dos 16.

Outras operações apuradas pela Polícia Civil são os aumentos substanciais nos salários de dirigentes - casos de Itair Machado e Sérgio Nonato -, a contratação de conselheiros para prestação de serviços (pessoa física e pessoa jurídica) e o pagamento a torcidas organizadas.

O Cruzeiro aumentou a dívida geral de R$ 384 milhões para R$ 520 milhões de 2017 para 2018 e ainda não teve o balanço financeiro aprovado pelo Conselho Fiscal.

Nas últimas semanas, o presidente Wagner Pires de Sá e o diretor jurídico Fabiano de Oliveira Costa prestaram depoimento na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte, no Bairro Gutierrez, Região Oeste do município. A ação fez parte da Operação Escobar, que investiga vazamento de documentos sigilosos da PF.

Márcio Antônio Camillozzi Marra e Paulo de Oliveira Bessa, escrivães da corporação, foram presos no dia 5 de junho, bem como os advogados Carlos Alberto Arges Júnior e Ildeu da Cunha Pereira.

Curiosamente, Márcio Antônio Camillozzi havia sido nomeado por Zezé Perrella para fazer parte da comissão de sindicância que averiguava denúncias de corrupção da diretoria do Cruzeiro. Ildeu da Cunha Pereira, por sua vez, já ocupou cargo de superintendente jurídico do clube. Já Carlos Alberto Arges Júniorrepresentou o vice-presidente de futebol.

Tags: itair machado cruzeiro copadobrasil justiça afastamento afastado vice-presidente