Cruzeiro

CRUZEIRO

Sérgio confia na volta do Cruzeiro ao Profut e critica análise das contas do clube feita por banco

Clube perdeu o benefício de participar do programa de responsabilidade fiscal do governo no início deste ano

postado em 31/07/2020 09:24 / atualizado em 31/07/2020 09:44

(Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A. Press)
O presidente do Cruzeiro, Sérgio Santos Rodrigues, tentou tranquilizar a torcida e disse que confia na volta do clube ao Profut. No sábado passado, a diretoria informou que teve revogada a liminar que havia garantido, em abril, a reinclusão ao programa de responsabilidade fiscal do governo. Advogados da Raposa buscam reverter a decisão na Justiça

"É para deixar claro para o torcedor do Cruzeiro que houve uma decisão de exclusão do Profut, mas que ela não traz problema para o Cruzeiro por hora. Ela é passível de recurso, a gente tem um julgamento ainda administrativo que vai ser feito sobre a questão, ou seja, acatando-se o que o Cruzeiro está  apresentando, essa ação judicial acaba, porque perde o objeto", disse Sérgio Santos Rodrigues. 

"Eu gostei muito do que o João Paulo (advogado do clube) falou, de forma clara e objetiva. Na área fiscal, tributária nós temos planos A, B e C para tudo. Então, torcedor não precisa ficar receoso das notícias. A Justiça é assim: às vezes, vem uma decisão, mas ela cabe recurso, negociação, que nós pretendemos fazer depois. Nós vamos procurar eles assim como estamos procurando os nossos credores para poder parcelar os nossos débitos", acrescentou. 

O Cruzeiro perdeu o benefício de participar do Profut no início deste ano, depois de atrasar, ao longo da gestão do ex-presidente Wagner Pires de Sá, o pagamento de seis parcelas de dívidas fiscais.

Os advogados do clube vão usar dois argumentos na Justiça. A primeira justificativa de defesa é de que a Receita Federal não consolidou os débitos para o parcelamento do valor total, o que deveria ter ocorrido até 2017. Segundo o advogado celeste João Paulo de Almeida Melo, nenhum clube pode ser excluído do Profut sem que a junção dos valores em débito seja aplicada ao parcelamento, apesar das pendências. O outro argumento é que o clube pagou um valor maior do que deveria ter quitado com inclusão da taxa Selic às parcelas.

Análise das contas


Nesta semana, o banco Itaú BBA divulgou análise da situação financeira do Cruzeiro e fez a seguinte crítica: “A corda estourou e o abismo é fundo” (clique aqui e leia a divulgação do banco). Segundo o estudo, o clube tem dívida de R$ 707 milhões.

O presidente Sérgio Santos Rodrigues criticou a análise sem citá-la e disse que o clube pode encontrar novas formas de monetização.

"A situação é difícil, mas o Cruzeiro sempre vai ser maior que seus problemas. Aliás, eu vi soltando negócio de banco e banco falando que está no fundo do poço, mas ninguém fez análise de como nós podemos monetizar de forma diferente, uma análise de quanto vale nosso elenco, do que podemos fazer com os nossos imóveis. É por isso que eu discordo de quem é teórico e na prática analisa friamente os números. A gente tem que saber interpretá-los e interpretar a situação como um todo. Então, torcedor e conselheiro do Cruzeiro tenha certeza, a gente tem convicção no que está fazendo, vai ser difícil, mas com vocês do lado a gente vai superar. Esse é o novo Cruzeiro e com vocês do lado a gente vai voltar para cima e nunca mais vai sair", frisou.

Tags: estudo cruzeiroec profut Sérgio Santos Rodrigues