Atlético

ATLÉTICO

Atlético: Sette Câmara vê segurança em volta do futebol durante pandemia do coronavírus

Presidente do Galo destacou 'critérios rigorosos' seguidos pelos clubes

postado em 29/06/2020 12:45 / atualizado em 29/06/2020 13:57

(Foto: Pedro Souza/Atlético)
O presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara, defendeu a continuidade das competições de futebol no Brasil em meio à pandemia do novo coronavírus. Em entrevista à CNN Brasil, o dirigente destacou os “critérios rigorosos” seguidos pelos clubes e considerou que o esporte é uma das atividades com mais “condições de voltar com segurança”.

“Eu entendo que o futebol, dentro das atividades que nós temos aí, é uma das que mais têm condições de voltar com segurança. O futebol tem obedecido critérios rigorosos, nós aqui no Atlético temos feito testes semanais, inclusive ontem tivemos um aqui e não tivemos nenhum caso”, afirmou.

“Me parece que essa é uma atividade importante, o futebol tem que ser visto como um negócio, os clubes precisam voltar, existem muitos empregos no entorno do futebol, o futebol gera riquezas e impostos. Eu acredito que se existe uma atividade hoje que pode voltar dentro dessa flexibilização com segurança é o futebol por conta da rigidez dos protocolos que estamos seguindo”, complementou.

Sette Câmara não entrou em detalhes sobre o prejuízo que o Atlético terá com as paralisações dos torneios. Genericamente, mencionou a perda geral para todos os clubes.

“Cada clube tem uma situação diferente, tem clubes que assinaram com uma TV, clubes que assinaram com uma outra, tem o pay-per-view, a falta de público… Alguns têm uma renda maior, como por exemplo, o Atlético, o Flamengo, o Corinthians, que também perderam muita renda. Mas a perda é geral. É uma crise que nós estamos passando de mãos dadas, nunca vi o futebol brasileiro tão unido”.

Na última quinta-feira, a Confederação Brasileira de Futebol se reuniu com a Comissão Nacional de Clubes para deliberar sobre o início das Séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro. Foram definidos os dias 8 e 9 de agosto, a depender, conforme sette Câmara, de “algumas variáveis no decorrer do mês de julho”. O mandatário atleticano ressaltou a necessidade de diminuir os prejuízos das instituições esportivas.

“Nós temos uma comissão e nós temos conversado com a CBF, nós tivemos uma reunião na semana passada, onde ficou mais ou menos definido que nós vamos voltar no dia 9 de agosto, é para isso que vamos trabalhar. É claro que isso não é ainda absolutamente tranquilo, isso depende de algumas variáveis no decorrer do mês de julho, mas o certo é que nós precisamos voltar logo para minimizar o prejuízo que os clubes tiveram e eu vejo que isso é uma grande possibilidade em função dos protocolos que estão sendo seguidos”.

Presidente compara futebol a uma ilha


Para reforçar o posicionamento favorável à retomada das competições, Sette Câmara classificou o futebol como “ilha dentro do Brasil”, dando a entender que, mesmo com o crescimento acelerado dos casos de COVID-19 - 1,34 milhão de infectados e 57,6 mil mortos no país -, o risco para jogadores e demais profissionais envolvidos seria o menor possível.

“O futebol é como se fosse uma Coreia ou Nova Zelândia, são ilhas aqui dentro do Brasil. Nós estamos seguindo protocolos rígidos, que foram seguidos nesses países, e que rapidamente conseguiram se livrar da pandemia. A gente tem feito isso e, mais do que nunca, o futebol tem colaborado para poder detectar onde é que existe infecção ou outra e separando, enfim. Dentro desse quadro, eu acredito que o futebol tem que voltar mesmo em agosto e isso é bem possível”.

Em caminho inverso às declarações do presidente do Atlético, o Centro de Operações de Emergência em Saúde de Minas Gerais (COES-MG) vetou a proposta apresentada pela Federação Mineira de Futebol (FMF) para o retorno do estadual em 26 de julho.

De acordo com o órgão vinculado ao governo, “havendo uma melhora do panorama epidemiológico e assistencial os protocolos serão reavaliados para que a atividade seja retomada com segurança a vida dos envolvidos”.

No boletim epidemiológico divulgado na manhã desta segunda-feira pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), Minas Gerais contabilizava 43.864 pessoas contaminadas pelo novo coronavírus e 918 mortes. 

A última partida do Galo foi em 14 de março, contra o Villa Nova, fora de casa, pela nona rodada do Campeonato Mineiro. Na estreia do técnico Jorge Sampaoli, o alvinegro venceu por 3 a 1 diante das arquibancadas vazias do estádio Castor Cifuentes, em Nova Lima.

Rio de Janeiro 


Até o momento, apenas o Campeonato Carioca voltou a ser disputado, com partidas sem público. Na sexta-feira, a Prefeitura do Rio de Janeiro publicou medida no Diário Oficial do município autorizando a presença de torcedores nos estádios a partir de 10 de julho.

Em um primeiro momento, as arenas vão receber um terço de sua capacidade, com distanciamento mínimo de 4 metros por pessoa. Além disso, a comercialização de ingressos ocorrerá exclusivamente pela internet. O estado tem 111,2 mil casos confirmados de COVID-19 e 9,8 mil óbitos. Mais da metade se concentram exclusivamente na capital fluminense.

Tags: presidente entrevista Atlético dirigente interiormg futnacional coronavírus seriea Sette Câmara COVID-19