Mais Esportes

Zé do Pedal ensina técnicas de respiração no Parque da Cidade

Ideias viraram dissertação de mestrado em universidade na capital

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 21/04/2014 10:58

Jéssica Raphaela /Correio Braziliense

Antonio Cunha/Esp.CB/D.A Press
Figura conhecida do triatlo brasiliense, Zé do Pedal continua na ativa, mesmo fora das competições. Recuperando-se de uma lesão no fêmur após fazer o 21º Ironman da carreira, o atleta responsável por inserir a modalidade em solo candango deixou as grandes provas para trás e se dedica a passar o conhecimento adiante. Basta ir ao Parque da Cidade durante a semana e lá está o triatleta ensinando aos alunos a técnica que jura ser a responsável pelo sucesso nos 40 anos de triatlo: o treino de oxigenação.

São quatro exercícios básicos, pouco peso e muito foco na respiração no Centro de Treinamento Aeróbico Pedal Puravida. “Trabalhamos o músculo mais importante do corpo: o coração. A ideia é acelerá-lo sem sair do lugar”, diz, enquanto espera os alunos. Especialista nas três modalidades do triatlo, ele não ensina a técnica de cada esporte. “Não os ensino a pedalar, e sim a respirar pedalando. Não os ensino a correr, e sim a respirar correndo”, completa.

A técnica, ele criou apenas na base da vivência. Depois, fez o caminho inverso e teorizou a experiência no mestrado em educação física pela Universidade Católica de Brasília. “Minha teoria é simples. Apenas mostro que o oxigênio é o alimento do corpo. As pessoas respiram apenas para sobreviver. É aí que está o erro”, argumenta e avisa que levará a dissertação para a Universidade de Brasília (UnB), onde pretende fazer doutorado.

A atividade, na prática, é simples, e um tanto controversa. Durante uma hora, os alunos fazem 1.600 respirações divididas em quatro exercícios diferentes. A cada movimento, uma respiração. São 500 bíceps, 100 flexões, 500 tríceps e 500 abdominais. “O ciclo é repetido 10 vezes até chegar em 1.600 respirações. Não tem pausa, então é preciso ritmo para conseguir terminar”, explica. “Com isso, o coração chega ao seu máximo. Tornando a atividade aeróbica mais fácil”, complementa.

A polêmica em cima da técnica ensinada por Zé do Pedal consiste no momento da inspiração. Enquanto educadores físicos alegam que o ar deve entrar nos pulmões no momento em que o músculo está relaxado e sair na hora do esforço, o triatleta prega o contrário. “O movimento ganha muito mais força quando o ar entra na hora de forçar o músculo. Mas sempre refutaram minha técnica”, alega.

Para o treinador de triatlo João Carlos de Almeida, o método ensinado no parque pode não ser tradicional, mas funciona, principalmente para pessoas sedentárias e atletas que buscam complementar a prática. “Ele faz os exercícios tão rapidamente, e com a respiração tão compassada, que transforma as quatro atividades anaeróbicas em uma aeróbica. Ele ensina uma forma que funcionou para ele”, analisa. Quem adere à aula gosta do resultado. “Dá muito mais resultado na hora de pedalar e correr. A gente aprende, de fato, a ter ritmo de respiração”, diz o triatleta Gustavo Kauer.