Vôlei

SUPERLIGA FEMININA

Sob nova direção, Brasília Vôlei entra em quadra pela primeira vez no ano

O técnico Inácio Junior encara o Barueri, de Zé Roberto, e tem a missão de bloquear a maior pontuadora da Superliga feminina

postado em 08/01/2019 16:29 / atualizado em 08/01/2019 16:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press
Após o recesso de fim de ano, o Brasília Vôlei entra em quadra pela primeira vez em 2019 nesta terça-feira (08/01). O primeiro desafio do ano na Superliga Feminina, marcado para as 20h, no Ginásio Sesi Taguatinga, será diante do Barueri, time de Zé Roberto. Como se não bastasse o desafio de enfrentar um time de grandes estrelas comandado pelo técnico da Seleção Brasileira de vôlei feminino, o jogo será o primeiro desafio do Brasília sem o técnico Hairton Cabral.

Sob o comando do auxiliar técnico Inácio Junior, que assume o time após o afastamento de Cabral por causa de um tumor na próstata, o time de Brasília volta às quadras após 17 dias sem jogar na Superliga Feminina. O retorno ao torneio tem um desafio grande para a equipe da capital federal: parar a melhor pontuadora da liga, a polonesa Kasia Skowronska.

A oposta do time do Barueri é quem lidera as estatísticas de maior pontuadora, com 177 pontos até o momento. Inácio acredita que a única maneira é estudar a jogadora. “Nós estudamos bastante pará-la. Sabemos que temos que fazer um trabalho diferenciado para isso. Mas lá não existe só a Skowronska, tem grandes jogadoras que podem mudar o jogo”, alerta o técnico do time candango.

O elenco do Barueri conta com o auxílio de jogadoras conhecidas. Três delas fazem parte da Seleção Brasileira: a levantadora Dani Lins, a central Thaísa e a ponteira Amanda. Por isso, o fator casa pode ser importante em um jogo contra uma equipe com grandes nomes.

Inácio espera um ginásio lotado e acha que isso ajuda o time de Brasília, que volta a jogar em casa após um mês. “Acho que o reencontro com a torcida vai influenciar positivamente no psicológico. O outro time tem grandes jogadoras e um grande técnico. Tenho certeza de que o estádio estará lotado para ver o Barueri”, analisa Inácio.

Segundo ele, dentro do próprio ginásio, a energia é melhor e o jogo flui de maneira diferente. “Atuar dentro de casa é muito importante. É onde temos que tentar fazer nosso diferencial. Temos que tentar fazer tudo taticamente certo para conseguir jogar de igual para igual”, comenta.

Desafios de janeiro

Neste mês, o Brasília Vôlei tem cinco desafios pela frente. O primeiro é o fim do primeiro turno e o início do segundo. Além do Barueri, o time brasiliense enfrenta o Osasco e o Sesc-RJ, em casa. Fora de Brasília, a equipe da capital federal enfrentará o atual campeão Praia Clube e o Minas.

“Agora, temos uma sequência muito difícil e enfrentamos alguns times que estão no top 5 da tabela de classificação”, analisa Inácio. Praia Clube, Minas e Sesc-RJ estão no topo da tabela. Apesar da dificuldade, o treinador diz que a obrigação da equipe brasiliense é ganhar. “Os jogos são difíceis? São. Mas eu converso muito com elas e digo que a mesma coisa que as adversárias fazem, nós fazemos. A nossa obrigação é ganhar. Vamos tentar fazer o melhor, seja pegar um ponto ou dois”, planeja o técnico.
 
Ele diz que o objetivo é ficar entre os oito times classificados para os playoffs. “Muita gente fala que o Brasília está tentando não cair, mas nosso objetivo é ficar entre os oito times”, completa o auxiliar técnico. Inácio está no projeto do Brasília Vôlei desde o fim da primeira temporada do time na Superliga Feminina e assume a liderança pela segunda vez.
 
Ele comandou a equipe por seis jogos na temporada passada, quando o ex-treinador Sérgio Negrão precisou se afastar por causa do nascimento do filho. “A experiência que eu tiro do ano passado é que nós temos que trabalhar para ter resultado, treinar dentro dos nossos limites. Não vim aqui perder tempo”, avisa.

Ajuda para compor o elenco

Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press
Com apenas nove atletas no time adulto e sem expectativa de novas contratações até o fim desta temporada, o jeito foi subir garotas da base do Brasília Vôlei para compor o elenco da equipe principal. A ponteira Júlia Silva é uma das meninas promovidas do time de base para ajudar nos treinos e ganhar experiência para o futuro.

A garota de 17 anos se formou no fim do ano passado no ensino médio e o plano, agora, é focar na carreira esportiva. “Estou no Brasília Vôlei desde o início de 2018, depois que passei na seletiva para integrar a base. Para mim, é muito gratificante treinar com o time adulto e ganhar novas experiências”, celebra.

Para o treinador Inácio, a experiência ajuda o time principal e as meninas mais novas. “Servirá para elas aproveitarem o momento em que estamos com poucas atletas, adquirirem experiência e se prepararem para serem titulares no futuro”, explica.
 
 
 

Programe-se

Superliga Feminina - 10ª rodada
Brasília Vôlei x Barueri
Quando: hoje (08/01), às 20h
Onde: Ginásio Sesi Taguatinga (QNF 24)
Ingressos: R$ 20 (meia), à venda na bilheteria do Sesi Taguatinga ou pela internet no site do Ticket Fácil

Classificação da Superliga feminina                         

Praia Clube: 24 pontos      
Minas: 22 pontos              
Sesi Bauru: 18 pontos                      
Sesc/RJ: 16 pontos                     
Fluminense: 16 pontos                    
Curitiba: 16 pontos                      
Barueri: 14 pontos                    
Osasco: 12 pontos                      
Brasília Vôlei: 9 pontos                     
Pinheiros: 9 pontos                      
São Caetano: 5 pontos                     
Balneário Camboriú: 1 ponto